saint seiya

by impuro

/
  •  

1.
03:14
2.
01:42
3.
02:12
4.
5.
03:00
6.

about

"EP" concebido entre outubro e novembro de 2014. todos os samples dos instrumentais foram retirados da série de anime "Saint Seiya" (Cavaleiros do zodiaco).

credits

released 08 December 2014

composto/produzido/gravado/mixado/masterizado por impuro. part. Sopro Inverso na faixa "homem de bem".

tags

license

all rights reserved

feeds

feeds for this album, this artist
Track Name: saint seiya
Eu não sou rapper, muito menos mc,
Branquelo de classe média, no máximo “wanna be”
O melhor por aqui, nem vou soar contraditório
É obvio que eu sou big, que pena que não notório

Meu cosmo queima, me chame de “Saint Seiya”
Meu rap quebra a armadura de um bando de cara feia
É tipo 666, e as vezes tipo cristão
Fecha o olho e sente o beat, isso é quase meditação

E eles se levam tão a sério
É até difícil crer que tão falando sério
Eu to sabendo que eu pareço um cara sério
Mas na verdade eu sou tipo fora de série, ô...

Impuro, conciso e firme na rima,
Esse nome escroto que eu levo as vezes nem eu aturo
Na rua de bermuda e camiseta,
Barbudo e com quase trinta, não acham que eu sou maduro.

Mas quem se importa com o que eu acho?
Tanta coisa na vida que eu não me encaixo
Quem se importa com o que eu acho?
Tanta coisa na vida que eu não me encaixo

Quem se importa com o que eu acho?
Quem se importa com o que eu acho?
Quem se importa com o que eu acho?
Quem se importa com o que?

Cada vez que você acha que eu não posso é uma vez que eu vou mais longe
Então não venha aqui pra me estipular prazo
Eu ando tipo Simon Baker em “Jane” o mentalista,
Lendo entre as linhas e sempre fechando os casos

Bem mais calmo do que em outro episódio, eu garanto
Hoje vejo, não importa o quão depressivo esteja
Grandes coisas que considero importantes vida, são:
Comida, namorada, minha família e cerveja.

E eles se levam tão a sério
É até difícil crer que tão falando sério
Eu to sabendo que eu pareço um cara sério
Mas na verdade eu sou tipo fora de série, ô...

Espera um pouco, num instante eu acabo
Beba o vinho da mesa, cabernet sauvignon
Quer certeza na vida? venda a alma ao diabo!
Precisando não hesite usar “Chirrim-chirriom”
Track Name: margem
Um show zoado e um flyer bonito, acho esquisito,
E é assim que funciona a vida, vem que eu te pago a bebida
Não vivo na escuridão, aqui as chamas ardem.
Me passa meu double bacon e meu copo de Baden Baden.

Tipo MC Bin Laden, “nóis é” bom, mas não é bombom.
Repudio a violência, agressivo só no som.
Cabelo da Town & Country? Não, grisalho, igual o momento.
Deixa de marra, cê nem ao menos tem talento!

Posso tá do seu lado, mas to sempre distante,
Pouca coisa vale a pena e minha alma é gigante.
Minha alma é gigante, pouca coisa vale a pena,
Hã! Quando será que minha vida engrena?

Já to mais velho que Kurt, menos que Daniel Johnston
Pelas janelas piscam luzes de neon,
Vou meio fora do tom, meio fora da passagem
Caminho bom, pra mim, significa: À Margem.
Track Name: 05
De onde eu venho sei que o sexo é fácil
O amor é raro, o perdão custa caro, e o inimigo é dócil

Caminho e observo, esse mundo de servos,
E rappers com mais pretensão que talento
Quanto maior sua revolta com o mundo
Mais disposição pra maldade traz dentro

Aprenda: nos cabe entender nossa esfera
Aceite e conviva, o que mais nos espera?

Me imagina rico, com poucos amigos
Com a esposa do lado, com saúde e tempo
Sem o menor esforço, sem o menor esforço
Tipo aquela banda: “vivendo do ócio”

Acordo com um balde de água na cara
Meu sonho é fazer do jeito que acredito até funcionar, mas bem pouco me ampara
Mas bem pouco me para, então se mande
O papo é tipo Adam Sandler, “gente grande”.

Só não tente mudar o mundo
Por favor só não tente mudar o mundo
Não passamos de idiotas em busca de mais respostas
Eu imploro: Por favor, só não tente mudar o mundo

Já está claro que você se incomoda comigo
Não enxergo sua verdade e esse é meu castigo?
Seu complexo de Deus é burro, e cê sabe, no fundo!
Mas me ouça, eu imploro, não tente mudar o mundo.
Track Name: a burrice prevalece
O verso que cria forma aqui é válvula de escape
Auto depreciativo tipo comédia stand up
Sem casa, carreira ou fama, sem família rica ou rumo
To juntando grana pra ver se compro passagem e sumo

Tão complicado que a vida ta boa no “clash of clans”, (só)
Desligo a tela e saio de casa com mesmo par de vans (de sempre)
Já não trabalho esse mês, sim, porque fui demitido
Patrão burro e incompetente, e eu? Intrometido!

Um pouco velho talvez, já passei da idade de usar fantasia
Você não é da Califórnia, olha pro espelho e ria
Rappers acham que pra serem o que são precisam copiar
Uns aos outros, vivem na ilusão, vou me dissociar.

Tenho mais cabelos brancos que a idade de todas suas fãs
Fico um pouco depressivo com toda sua ideia vã,
Mas vou me manter no meu canto, é claro! Logo cê esquece
Aprendi bem cedo, no mundo a burrice prevalece.
Track Name: calma
CALMA

Tomando um refrigerante,
Ouvindo girl all the bad guys want
Eu sei que parece simples, olha o jeito que conduzo meu traço
Tipo Ashtar Sheran mando a mensagem do espaço

Que pede paz, alívio, cura, calma!
Tipo um hippie cujo o pai coloca o dinheiro na palma
Faço meu próprio caminho, enquanto os clones reagem
Pois tradicional pra mim, só um monte de tatuagem

O tempo passa e eu filosofo no banho
Só existe o que nos atinge, e é confusa a conclusão
Quanto mais envelheço me aproximo do que sou
Entre fotos de “rap squats”, conflitos de geração...

Não faço música, sou a música que faço
Vivo a naturalidade, e a matemática do ritmo
Sigo tranquilo, a calma me oferece animo
Assim cada movimento de ira será legitimo

CALMA

Me ergo com poucos planos,
Discos que cresci ouvindo completam só vinte anos
Não tão jovem, e com a vontade de aprender que não acaba
Do meu lado quero Cesar, distancia quero de Coba


Não faço música, sou a música que faço
Vivo a naturalidade, e a matemática do ritmo
Sigo tranquilo, a calma me oferece animo
Assim cada movimento de ira será legitimo
Track Name: homem de bem (part. sopro inverso)
(sopro inverso)
Pra te confundir...
Eu saio tipo gay do armário
Só que, veja bem, ao contrário, não me assumo retraio
Mas vem, te conto, te dou um nó no ponto

desde a pré adolescência pratico a indulgencia (falsa)
o que importa é minha aparência (falsa)
foda-se a sua essência, te fodo na "menisquência"
E você vai sorrir...

Desde o Jd. do Éden as regras nos perseguem
E antes que nos ceguem com toda essa pobreza
Homens de bem regurgitando a sã certeza
Usam a besta e o deus que pune pra manter farta sua mesa

Nível de realeza, seu corpo é seu templo
Tudo em nome da igreja em todo momento
Na rua uma dama, uma puta na cama, cobra que engana não brisa na minha
Seu marido cuidando da grana e meio dia almoçando a novinha

(impuro)
Porque que cê quer tanto parecer assim “homem de bem”?
O que cê tem pra esconder de mim?

Quem não tem nada a temer não releva os maliciosos
Quanto mais “bonzinhos”, mais maldosos
Dizem que se eu falo do mau do mundo, o trago no coração
Perdão amigo, no momento, não.

A bíblia que inspira a sabedoria, inspira contradição
Eu sigo no meu caminho, descalço com os pés no chão
Sim, quase sempre sozinho, bem perto da solidão
Buscado plenitude na terra do mensalão.

Onde o doente analisa, e o sábio não luta
Mentira humilha o povo que refuta
Só conta sua aparência aqui, foda-se sua conduta
Lamento até dizer pra quem me escuta

Nem todos adormecem enquanto o mundo executa
Sua história, desde a mordida na fruta.
Que siga encenação diária de cada filho da puta
Minha postura vai se manter bruta

Porque que cê quer tanto parecer assim “homem de bem”?
O que cê tem pra esconder de mim?