ainda não

by impuro

/
  •  

1.
02:03
2.
03:07
3.
4.
02:30
5.
02:58
6.

about

esse ep foi todo composto em 2013, são faixas que viriam a fazer parte do "volume 2". estou compondo um novo "volume 2". fica o registro. espero que gostem.

credits

released 09 October 2014

produzido, gravado, mixado e masterizado por impuro. beat de "legenda" por Sants, vozes adicionais em "detalhes cotidianos" por Carolina Machado.

tags

license

all rights reserved

feeds

feeds for this album, this artist
Track Name: a cura
Nunca deixe um trampo inacabado, plano simples “Pedro, o Leão”
Viver bem é a melhor vingança, em meio a cidade, compreensão.
Tudo que é ruim na vida passa, quem trapaça não entendeu o jogo.
Uma vida livre de ameaça, é o que busca todo demagogo.

Tanta frescura, tanta regra, tanto caso
Tanta frase que não passa de um discurso raso
Ao acaso que se encontra o que é melhor pra gente
Não planejo mais, a vida é sempre diferente

O tempo voa, mas entenda que não é só ser hábil
Um pouco de ignorância pra nos manter sábios
Quem engole tudo, passa a vida na procura
E morre de velho sem nunca encontrar a cura

O que aprendi ainda é pouco, mas me tira de onde eu não me vejo
O que aprendi ainda é pouco, mas me põe de encontro com o que almejo

O mundo continua pequeno, e o antídoto que salva vem do veneno
Coordeno só a mim, e a missão não ta fácil. Muito do que sei, agradeço ao ócio
Na autonomia sem sócio, ser eu mesmo tem um preço bem alto
Cada consequência uma história confusa, além do que vejo no asfalto

Mas julgam e nem querem saber de mais nada
A guerra fria do ego de cada
Pessoa que encontra sua paz na omissão
E quando me encontra ainda oferece a mão

Doentes bem adaptados no mundo
Entre maquiagem e a boa aparência
Vão dar mais valor se me conhecerem
Através de boa referencia

O que aprendi ainda é pouco, mas me tira de onde eu não me vejo
O que aprendi ainda é pouco, mas me põe de encontro com o que almejo
Track Name: zyd801
O maior demônio é a procrastinação
Querem-me são e alimentam-me com remédios
A droga é alternativa pra curar o tédio
Outra opção sem comoção é me encaixar no “sonho médio”

O maior anjo é a determinação
Eu vejo “santo” que peca e trai a quem ama.
Pelas costas me difama, investe mais em “grama”,
Vai contra o que acredita pra encontrar a fama.

Então não chame essa porra de rap, chame de arte.
O aluno não copia o mestre. Chame de arte.
Me diga se eu passei no teste, chame de arte.
Pergunte se eu me importo, depois chame de arte.

Eles duvidam do amor porque não podem sentir
Duvidam da verdade, pois só sabem mentir.
Te entregam todo mal e dizem que isso é curtir.
Te fazem achar normal, querendo te conduzir.

Eu sou a besta de cara feia, eu sou o 666.
A salvação, ou qualquer coisa que o valha.
Eu sou a brecha na verdade onde a mentira calha
Eu sou a brecha na mentira onde a verdade calha (2x)

As cabeças por ai andam “atrasada” alguns anos
Caminhar sozinho é chato e não estava nos planos
Meus manos quase me entendem, mas quase ainda não basta.
Não escrevo, crio cenas. Me chame de cineasta.

O excluído e louco, não quer ser arrogante.
Sem apoio e nem motivo, cavaleiro errante.
O angustiante recomeço tortuoso e sem rancor
De quem no meio da passagem coloca a frente o labor

Algum babaca hoje rouba o meu crédito
Os caminhos são vários e o meu será inédito
Entre formulas, regras e crenças que se discute,
Êxito no objetivo da escola de Frankfurt

Eles duvidam do amor porque não podem sentir
Duvidam da verdade, pois só sabem mentir.
Te entregam todo mal e dizem que isso é curtir.
Te fazem achar normal, querendo te conduzir.

Eu sou a besta de cara feia, eu sou o 666.
A salvação, ou qualquer coisa que o valha.
Eu sou a brecha na verdade onde a mentira calha
Eu sou a brecha na mentira onde a verdade calha (2x)
Track Name: mtme
Cresci ouvindo punk rock e hoje crio com MIDI,
De Ramones a Get up Kids, alguns “homo” me chamam de emo,
Não tenho fobia mas não te como, suas idéias não passam de demo
De idiotice, cê diz que eu não presto. Não entende, então nem contexto

Quer mais do mesmo vai ouvir todo o resto, que é feito e o público engole,
Eu não quero mais saber disso, então chega de conversa mole,
Propaganda do guaraná Dolly, tem mais requinte que isto,
Talentos no anonimato, clichê exaltado igual Cristo.

Sempre foi assim e sempre vai ser, é claro, e a gente sabe...
Não temos mais nada a temer, “vâmo” esperar que acabe
Um dia eles vão me dizer, cê tava certo.
Baby, quando a sua casa cair, espero que desabe...

Vão alegar que meu som não é da rua, porque eu não falo de toda parada,
Que eles chamavam de senso comum, e hoje de vida da molecada,
Querem ser Peter Pan, mas o mundo não é terra do nunca,
Se a música é o lar que fizemos, justifique essa espelunca, vai...

Não vou me desonrar, então que se foda!
Meu talento e meu estilo nessa porra toda! (2x)

(...)

Não vou me desonrar, então que se foda!
Meu talento e meu estilo nessa porra toda! (2x)
Track Name: pop punk
Os amigos do lado, iguais ou pior que eu
Ta tudo no começo, a festa nem aconteceu
E que se foda o trap, dou play num pop punk
No banco do carona enquanto abastece o tanque (2x)

Cantar pra criança, conversar com surdo
Deus me livre e guarde, prepara meu escudo
As pessoas me cansam, me esquivo e preparo o combo
Encaixo 30 hits no alto e preparo o tombo

20 dias mal dormidos, 10 dias sem sair
10 dias sem sair e um dia pra me divertir
Imagina o resultado: Duas doses de boazinha
Faxe 10%, e o que tiver na cozinha...

Sem pretensão de nada, e dia assim surpreende
Cabeça bagunçada, só falo com quem me entende
Diversão por diversão, paz pra toda alma ruim
A vida já é problema, não quero bônus pra mim. (2x)

Os amigos do lado, iguais ou pior que eu
Ta tudo no começo, a festa nem aconteceu
E que se foda o trap, dou play num pop punk
No banco do carona enquanto abastece o tanque. (2x)

Sem pretensão de nada, e dia assim surpreende
Cabeça bagunçada, só falo com quem me entende
Diversão por diversão, paz pra toda alma ruim
A vida já é problema, não quero bônus pra mim. (2x)